terça-feira, 6 de setembro de 2016

Quanto do dinheiro gasto em rotundas daria para a despoluição do rio Noéme?

O presidente da Câmara da Guarda encontrou um novo de modelo de desenvolvimento regional e tem apostado fortemente na ornamentação de rotundas e respectiva inauguração com pompa e circunstância. Abra-se um qualquer jornal da década de 80 e reconheceremos nas fotografias o estilo e as pífias figuras, com claro prejuízo neste caso para a Guarda.

Também o rio Noéme continua poluído apesar do dinheiro despejado pela CEE para que se escondessem e tratassem as misérias. Gente asseada não podia continuar a despejar o penico ora na rua, ora no ribeiro. O penico doméstico talvez, porque o industrial continuou a ter como destino as águas do rio. Num Verão em que tanto se falou de sanções e de castigos, não seria má ideia que alguém pusesse mão nisto.

Se rios poluídos e rotundas são coisa dos anos 80 o mesmo não acontece com os recursos financeiros. Não há neste momento o dinheiro que naquela época chegava todos os dias a Portugal. Sendo assim é necessário fazer escolhas e questionar qualquer cêntimo gasto pela Câmara Municipal da Guarda. Seja 10 ou seja 1000, urge perguntar: 

- A quem serve isto? 
- O que se faria com este dinheiro aplicado em planeamento ambiental e do território e concretamente na despoluição do rio Noéme?



Sem comentários:

Publicar um comentário