quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Entrevista do Presidente da Câmara da Guarda à Rádio Altitude (3)

Para terminar este bloco dedicado à entrevista, retive a seguinte frase do presidente a propósito da construção do Pavilhão Transfronteiriço: "Assumirei sempre o cumprimentos estrito da legalidade e interesses colectivos em causa".


Aplique essa máxima a todos os poluidores do rio Noéme.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Entrevista do Presidente da Câmara da Guarda à Rádio Altitude (2)

Sobre a poluição do rio Noéme, o melhor será ouvir-se a entrevista entre os minutos 1:32:18 e 1:36:35.

Resumindo:

- Há uma cláusula no contrato de 2001 assinado entre a Câmara e a empresa têxtil que obriga a Câmara a encaminhar os efluentes. Segundo o presidente da Câmara, "é uma claúsula quase em branco porque não define limites, custos e dimensão. Ainda assim foram feitos investimentos" (cito de cor);

- Afirma ainda que tem de receber efluentes tratados, abaixo de um certo limite (1000 qcos). A fábrica estará a entregar 1200/1300 qco. Com esses valores a ETAR de S. Miguel não os recebe;

Repete que há outras áreas e focos poluentes identificados, fala vagamente no estudo de despoluição mas não refere quais e quando serão as próximas acções;

- Conclui contudo, que a indústria é muito poluente e não pode despejar os efluentes sem tratamento nos rios Diz e Noéme.

Aconselharíamos nós, que se aproveitassem as negociações em curso sobre os terrenos onde se pretende construir o Pavilhão Transfronteiriço (também tema desta entrevista) para se resolver definitivamente este problema concreto.


Entrevista do Presidente da Câmara da Guarda à Rádio Altitude (1)

A dada altura da entrevista concedida à Rádio Altitude, o presidente da Câmara diz, a propósito dos Passadiços do Mondego, que as pessoas têm pressa que aquele projecto se concretize e é necessário avançar rapidamente.

Para a despoluição do rio Noéme não há pressa?

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Dinheiro gasto

Para efeitos de despoluição do rio Noéme foram gastas as seguintes verbas:
  • Construção da Estação-Elevatória da Quinta da Granja, em 2012:  97 399,09 euros (Portal BASE)

  • Limpeza e intervenção nas áreas afectadas pelos incêndios, em 2018: 714 612 euros (Portal BASE)



  • Não encontrei no Portal BASE o valor gasto no estudo de despoluição dos rios Diz e Noéme (encomendado ao professor Pedro Teiga). Esta verba terá sido gasta entre 2016 (quando foi anunciado o projecto no Dia da Cidade) e 2018 (quando foram limpas as margens).
Posto isto e porque o rio se encontra ainda continua poluído (logo o projecto não se encontra concluído):
  • Que percentagem do projecto já foi executado? 
  • O que falta fazer (e quando)? 
  • Que verbas estão alocadas para este ano?

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

"É p’ra Amanhã: pequenas histórias sustentáveis podem ser como “pingo de fermento que alastra”, in Público

"Seis amigos partiram numa viagem a um futuro sustentável em Portugal e perceberam que só era preciso dar voz ao amanhã que já está a acontecer." pode ler-se na notícia do Público.

O sítio do projecto é este.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Orçamento Municipal

aqui tínhamos abordado o orçamento municipal para 2020 e deixado algumas questões... Não encontrámos online o documento pelo que, adicionamos mais uma: 

- Qual o valor da verba destinada para a despoluição do rio Noéme?

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

O primeiro ecologista

Embora a Ecologia, tenha tido o seu desenvolvimento enquanto ciência sobretudo no século XVII e notoriedade mediática a partir dos anos 70 do século XX (em grande parte devido às acções espectaculares de organizações como o Greenpeace), consta que o primeiro ecologista terá sido Teofrasto, um discípulo de Aristóteles, com a publicação da obra "História de animais, minerais e plantas".